Mesa-redonda 6. Os professores-tradutores: ensino, pesquisa e criação

Anasthasie Angoran (Université Félix Houphouet Boigny, Abidjan)
Mamede Mustafá Jarouche (USP)
Germana de Sousa (UnB)

Coordenação: Marie Helene Torres (UFSC)

5ª feira 26/09, 17:30

Local: Auditório Henrique Fontes (CCE)

Haverá intérpretes de LIBRAS - fundo preto

Iniciação à tradução literária no curso de português entre o exercício pedagógico e a leitura criativa

Anasthasie Adjoua Angoran Brou

A língua portuguesa foi introduzida como língua estrangeira Costa do Marfim há aproximadamente trinta anos, onde faz parte das línguas do ensino universitário. A iniciação à língua portuguesa inicia-se quase exclusivamente na universidade. O currículo do ensino comporta disciplinas que permitem aos estudantes ter uma formação em língua e cultura lusófona e tradução. Na disciplina de tradução criamos o curso de iniciação à tradução literária com o objetivo de ampliar o campo de aprendizagem para além da verificação da correção gramatical e sintáxica. Usamos os textos literários tendo em vista desta vez a correção linguística e a reprodução das qualidades literárias. Ao longo da disciplina, uma atenção particular foi dedicada ao uso polissémico das palavras, as expressões regionais e a procura de equivalentes em língua francesa. Procuramos também a reprodução das características literárias dos textos sendo eles cômicos ou trágicos. Trabalhamos essencialmente com textos de narrativos, nesta fase inicial.
Os exercícios eram feitos em quatro etapas a primeira visava a leitura e compreensão do texto, na sala de aula. Em seguida os alunos traduziam os textos em casa e corrigíamos na sala de aula. Durante a correção verificávamos em primeiro lugar a inteligibilidade das frases antes de proceder a reprodução das especificidades literárias. Solicitamos os conhecimentos linguísticos e as capacidades criativas do grupo. Neste trabalho procuramos discutir a relação entre o ensino da língua estrangeira, a tradução e a literatura, vendo o texto literário como um elemento focalizador das capacidades de leitura e de criação do tradutor.
Despertar a atenção para a criatividade do tradutor é uma hipótese que ao nosso ver pode levar a olhar de outra maneira o texto literário recebido em língua francesa num contexto onde as discussões sobre a tradução literária poucas vezes são levantadas. Os textos dos autores anglófonos, hispanífonos ou lusófonos são lidos como se fossem textos escritos na língua francesa.

A tradução de textos literários na sala de aula

Germana de Sousa

Trata se de apresentar algumas reflexões e caminhos para uma didática da tradução literária, com base na experiência de ensino no Bacharelado em Letras-Tradução da Universidade de Brasília.

(Programação sujeita a alterações)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s